Português Italian English Spanish

Avaliação do curso de formação da GCM de Juazeiro do Norte é tema de discursão pelos vereadores juazeirense

Avaliação do curso de formação da GCM de Juazeiro do Norte é tema de discursão pelos vereadores juazeirense


Uma avaliação aplicada para os alunos do curso de formação da Guarda Civil Metropolitana (GCM) de Juazeiro do Norte pautou as discussões na Câmara Municipal de Juazeiro do Norte, durante a sessão ordinária dessa terça-feira (29). Um vídeo que circula nas redes sociais mostra explosivos sendo jogados durante a aplicação da prova, além do barulho de sirenes das viaturas colocadas na sala.

O tema foi levantado pelo vereador Padre Paulo (PSD), que classificou a atividade como assédio moral. O parlamentar disse que a atividade pode trazer prejuízos à saúde mental dos guardas em formação e considerou que não havia necessidade de colocar os guardas “em constrangimento”.

“Me chocou muito [a cena]. A Guarda Municipal existe para guardar e proteger o patrimônio público. Queria entender qual o amparo para colocar aqueles guardas na situação de um assédio moral tamanho e qual o objetivo de proporcionar aquela realidade. Acredito que o comandante [da guarda] extrapolou. Acredito que não vinha ao caso fazer os guardas passarem por tamanho assédio”, disse Padre Paulo.

Em um aparte, o vereador Janu (Republicanos) fez críticas ao comandante da GCM, Jozimar Correia. Para o parlamentar, esse tipo de avaliação não deveria ser aplicado durante o curso de formação. “Esses alunos ainda estão no curso, não sabe nem se vão ficar. Muitos podem ficar pelo caminho. O comandante da guarda está querendo dar uma instrução militar para os alunos nesse momento”, disse Janu.

Capitão Vieira Neto (PTB) considerou a atividade como uma “tortura psicológica”. O parlamentar, que é militar, disse que nunca passou por uma prova nesses moldes. “Nunca houve um estresse dessa forma numa prova. É uma tortura psicológica clara. Um candidato fazer uma prova ainda para ingressar na Guarda Municipal se submeter a isso?”, questionou Vieira Neto.